Impressão em grandes formatos

Hoje eu vou abordar um tema que gera muitas dúvidas, que é sobre impressão em grandes formatos. Hoje é para tirar essas dúvidas, para tentar comentar tentar, argumentar de uma maneira um pouco mais clara, as pessoas que tem dúvidas quando elas criam impressão em grande formato.

Então como é que funciona essa questão de grande formato;

Se você já trabalha com grandes formatos, se você simplesmente é um curioso e quer saber como é que funciona essa questão a gente tem algumas situações particulares, quando você trabalha com material publicitário, material impresso, material gráfico de que quando você trabalha com materiais para comunicação visual, lonas fachadas, banners enfim.

Eu não tenho muita experiência com essa segunda parte com essa parte de comunicação visual, o que eu sei de comunicação visual é uma consequência do meu trabalho, eu sou arte finalista, então o que eu sei de comunicação visual, foi o que eu aprendi na prática trocando experiência também com colegas de trabalho, com os fornecedores que me atendem que me atenderam. O que eu sei de comunicação visual não é muito aprofundado, não é muito técnico então o que eu vou dizer para vocês aqui, são recomendações, dicas, próprias dicas minhas que eu adquiri durante as experiências, durante os anos de experiência que eu tenho com arte final e também produzindo material gráfico, material publicitário e também de comunicação visual.

rocket-launching-in-clouds

A minha experiência é mais na parte gráfica, eu trabalho com material para impressão Offset para impressão digital, para impressão publicitária, materiais como panfletos, cartazes, folders catálogos, enfim todo tipo de impressão convencional, utilizando tinta e impressora Offset, utilizando plotters ou impressoras de recorte ou lonas. Já não é muito o meu forte apesar de que eu já trabalhei com isso há bastante tempo, mas produzindo material não imprimindo, não fabricando não colocando isso em prática na impressora.
Como eu tenho feito como eu recomendo que você faça, muita gente me pergunta vamos primeiro por pontos para a gente não acabar se perdendo aqui no assunto.

Veja alguns exemplos:

No vídeo de metros do outdoor de metros, eu fiz um outdoor de metros com o tamanho proporcional. Ou seja, ao invés de metros ele ficou com metros utilizando do tamanho real do tamanho final do meu material. Por que primeiro que alguns aplicativos possuem limitações de espaço de área de trabalho, ou seja, o Adobe Illustrator, por exemplo, tem uma limitação do tamanho da prancheta, eu não tenho essa informação precisa agora, mas ela não pode ficar muito grande.

O aplicativo tem um limite, então você pode aumentar a página até certo ponto o Coreldraw tem um tamanho maior de prancheta, embora isso não seja infinito, mas ele tem um tamanho maior que permite você trabalhar também com pranchetas, ou com páginas muito grandes. Mas não é nem esse o caso além de você melhorar, de você otimizar o seu fluxo de trabalho quando você trabalha com arquivos menores, você também melhora o desempenho da sua máquina, do seu equipamento. Trabalhar com um projeto de metros em tamanho real na tela do seu computador é absurdamente danoso para o seu processamento. Você vai ter um projeto que vai ser desenvolvido em metros, utilizando imagens de alta qualidade, imagem de alta definição, vetores complexos e tudo isso faz a sua máquina torrar o cérebro, pensando e processando toda a informação.

book-page-print-open
Então tanto para otimizar o seu fluxo de trabalho para evitar que você precise ficar esperando o computador processar cada comando, porque o arquivo fica muito pesado. Você pode trabalhar proporcionalmente Isso é só um dos critérios não é regra, também nada que te impeça de trabalhar com metros se você tem uma máquina potente ou vai trabalhar só com vetores e texto, além disso, todo o material que é feito para a mídia externa que é feito para comunicação visual a maioria ou senão todo ele precisa de um certo nível de afastamento.

Certa distância, a pessoa precisa se distanciar até certo ponto para que ela consiga enxergar a imagem e entender o que está impresso, entender o que está ali naquela lona, o que está ali naquele outdoor, o que está ali naquela fachada. Então não adianta você produzir o material em tamanho real se a pessoa não vai precisar de tanta qualidade, assim para enxergar, para entender o seu material impresso. Eu digo isso porque se você imprimir um outdoor de metros em tamanho real, você imprimindo em DPi e colocar isso na frente da pessoa ela vai precisar se afastar muito, mas muito mesmo para que ela consiga entender e enxergar o outdoor de metros e ela consiga entender o que está ali naquela imagem, o que foi impresso, quais são os textos o que está escrito ali.
Então não adianta você imprimir um material numa qualidade fantástica, se a pessoa vai precisar se afastar tanto assim, ela não vai nem perceber a qualidade da impressão. Não adianta, é justamente esse critério que a gente utiliza para a questão da proporcionalidade, é por isso que a gente usa uma imagem em tamanho menor num tamanho de sendo que a indústria de comunicação visual recomenda do tamanho final, vírgula alguma coisa no padrão de outdoors que eles utilizam nas empresas de comunicação visual.

Continuaremos sobre este assunto no próximo artigo, portanto não perca nosso próximo artigo em breve.

Anúncios

Dei meu presente

Desde muito cedo aprendemos que quando ganhamos algo, um presente especificamente, não devemos abrir mão, não devemos entregar a outra pessoa, mas hoje preciso fazer isso.

Hoje, quando iniciei minhas pesquisas diária: “aquele momento que ficamos sem rumo navegando de uma página a outra”, tentando encontrar alguma informação que nem nós mesmos sabemos o que é direito.

E foi nesse momento que encontrei o blog Maravilhas da Itália apesar de não ter aparentemente nada a ver com o nosso blog, tenho um sentimento adormecido dentro de mim de um dia conhecer a Itália e talvez isso fez com que eu parasse alguns minutinhos para ler o conteúdo do blog.

E por incrível que pareça o que me levou a escrever este post, não foi exatamente algo especificamente a Itália, mas sim o post “Tenho um presente para você” apesar do título um tanto chamativo, não é o que costuma me parar…kkk, mas hoje foi.

Bom como eu disse não sou do tipo de pessoa que se deixa levar por títulos chamativos, mas hoje algo fez com que eu clicasse no link e iniciasse minha leitura.

Porem a leitura foi um tanto curta, pois o post possui poucas palavras, no entanto o que me chamou a atenção foi o vídeo que mostra um garotinho dominado pela tecnologia, mas em um belo dia recebeu um presentinho da sua mãe e isso fez com que ele mudasse seu comportamento.

tecnologia

E é por isso que eu decidi compartilhar este post com vocês, pois por se tratar de tecnologia no geral o assunto principal do meu blog, isso fez com que eu refletisse sobre o assunto.

Eu destetaria me tornar um escavo da tecnologia ou pior ainda, influenciar mais pessoas a me seguir.

Recomendo que acesse o site e leia o post “Tenho um presente para você”, faça isso aqui.

Você entenderá sobre o moral das palavras escritas por mim aqui, e entenderá também o porque do título deste post Dei meu presente, pois é isso que estou fazendo agora, repassando o presente que ganhei lendo o artigo hoje de manhã.

Por hoje é só, espero encontrar novas inspirações em breve, nos vemos no proximo artigo.

 

Grande Abraço!

Você está preparado para o futuro

Estranho pensar sobre isso né…O futuro, afinal já vivemos em uma era onde a tecnologia está cada vez mais presente e parece que já vivemos os tempos áureos da tecnologia.

Porem isso não é verdade, basta parar um segundo para pensar e logo percebemos que o “hoje” não é nada se compararmos ao “amanhã”.

Parece loucura pensar sobre isso, mas é inevitável, esperamos muito do futuro se hoje temos a tecnologia em tudo, imagina daqui 20, 50, 100 anos.

Pensar sobre isso me faz querer viver o futuro, afinal será uma experiencia fantástica teremos tecnologias inimagináveis, já ouvimos sobre vida eterna, teletransporte, carros voadores, cura do câncer, HIV e etc…. E isso nos faz querer viver o futuro.

Felizes serão nossos netos e bisnetos que estarão lá para vivenciar o que de melhor o futuro terá a oferecer.

Nem tudo são flores

É verdade que nem tudo será benéfico, sabemos que a mesma capacidade que o “Bem” tem de se multiplicar o “Mal” também tem e certamente nem tudo serão flores e quem vivenciar o futuro terá de estar preparado para passar por tempos difíceis e mais difíceis ainda de se imaginar.

E é exatamente por isso que nós, meros mortais não vivenciaremos o futuro, pois não estaríamos preparados, afinal é preciso uma evolução para tempos futuros e o ser humano de hoje não seria capaz de viver no amanhã.